UBE blogs

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Senado enterra PLC 122/06

O Plenário do Senado aprovou, nesta terça-feira (17), com 29 votos favoráveis, 12 contrários e 2 abstenções, requerimento do senador Eduardo Lopes (PRB-RJ) para que o PLC 122/2006, que dava privilégios a homossexuais, seja apensado, ou seja acrescentado, ao projeto de reforma do Código Penal (PLS 236/2012).

O senador Eduardo Lopes destacou que o Código Penal já engloba o assunto ao tipificar a intolerância, o racismo e todo tipo de violência. Ele explicou que, por tratarem de assuntos correlatos, não há sentido para que as propostas tramitem separadamente. Em apoio a Eduardo Lopes, o senador Magno Malta (PR-ES) disse que a criminalização da homofobia depende da tipificação desse crime no Código Penal, o que justifica o apensamento.
Depois de 7 anos de uma luta árdua contra um projeto de lei que era um verdadeiro lixo moral para beneficiar os gays em detrimento do restante da coletividade da sociedade, finalmente o senado deu um basta. Mesmo o PT usando todo o seu poder político para aprovar esta aberração, e tenho eu aqui que ressalvar a atitude corajosa do senador Lindbergh Farias que contrariando a decisão partidária, votou pelo fim do PLC 122/06, ao contrário do senador Valter Pinheiro do PT da Bahia, que é membro da Igreja batista em salvador, e que muitas vezes eu o apoiei, de maneira covarde se ausentou do plenário na hora da votação.
Tenho também que ressaltar o brilhantismo e a luta incansável do senador Magno Malta que foi um gigante para travar o famigerado projeto. Também quero salientar a coragem do Presidente do senado Renan Calheiros, que teve a ousadia de colocar em votação, contrariando muitos interesses.
Agora a questão de sexualidade será discutida no código penal que ainda terá uma longa tramitação. Saliento também a maturidade que o povo evangélico vem manifestando ao usar meios democráticos e legais para pressionar os senadores realizando um verdadeiro bombardeio de e-mails, e também a presença nas audiências públicas, por fim, preste bastante atenção nos senadores que votaram pelo fim do PLC 122/06, os senadores que votaram a favor da permanência do projeto, e também os que estiveram presentes, mas saíram na hora da votação, se omitindo de maneira covarde de uma posição firme contra uma aberração deste nível.(Pr. Silas Malafaia).
Concluindo, a retirada do PLC 122/06 é a vitória da liberdade que o estado democrático de direito dá aos seus cidadãos sem privilegiar nenhum segmento social.
Veja abaixo a lista com os nomes dos senadores que votaram CONTRA OS VALORES CRISTÃOS, a favor do PLC 122: 
Ana Rita (ES/PT);
Antônio Carlos Rodrigues (SP/PR);
Antônio Carlos Valadares (SE/PSB);
Eduardo Suplicy (SP/PT);
João Capiberibe (AP/PSB);
Jorge Viana (AC/PT);
Lídice da Mata (BA/PSB);
Paulo Davim (RN/PV);
Paulo Paim (RS/PT);
Pedro Simon (RS/PMDB);
Randolfe Rodrigues (AP/PSOL);
Roberto Requião (PR/PMDB).
Veja abaixo a lista com os nomes dos senadores que votaram A FAVOR DOS VALORES CRISTÃOS, contra o PLC 122: 
Alfredo Nascimento (AM/PR);
Aloysio Nunes Ferreira (SP/PSDB);
Álvaro Dias (PR/PSDB);
Ana Amélia (RS/PP);
Blairo Maggi (MT/PR);
Cassio Cunha Lima (PB/PSDB);
Cícero Lucena (PB/PSDB);
Cristovam Buarque (DF/PDT);
Cyro Miranda (GO/PSDB);
Eduardo Lopes (RJ/PRB);
Eunício Oliveira (CE/PMDB);
Flexa Ribeiro (PA/PSDB);
Jader Barbalho (PA/PMDB);
João Durval (BA/PDT);
João Vicente Claudino (PI/PTB);
José Agripino (RN/DEM);
Lindberg Farias (RJ/PT);
Magno Malta (ES/PR);
Mozarildo Cavalcanti (RR/PTB);
Paulo Bauer (SC/PSDB);
Pedro Taques (MT/PDT);
Ricardo Ferraço (ES/PMDB);
Rodrigo Rollemberg (DF/PSB);
Ruben Figueiró (MS/PSDB);
Sérgio Petecão (AC/PSD);
Sérgio Souza (PR/PMDB);
Vital do Rêgo (MS/PMDB);
Waldemir Moka (MS/PMDB);
Wilder Morais (GO/DEM).
Veja abaixo a lista com os nomes dos senadores que se abstiveram:
José Pimentel (CE/PT);
Vanessa Grazziotin (AM/PCdoB).

domingo, 8 de dezembro de 2013

DIA DA BÍBLIA

QUANDO SURGIU O DIA DA BIBLIA?


O Dia da Bíblia surgiu em 1549, na Grã-Bretanha, quando o Bispo Cranmer, incluiu no livro de orações do Rei Eduardo VI um dia especial para que a população intercedesse em favor da leitura do Livro Sagrado. A data escolhida foi o segundo domingo do Advento – celebrado nos quatro domingos que antecedem o Natal. Foi assim que o segundo domingo de dezembro tornou-se o Dia da Bíblia. No Brasil, o Dia da Bíblia passou a ser celebrado em 1850, com a chegada dos primeiros missionários evangélicos da Europa e dos Estados Unidos que aqui vieram semear a Palavra de Deus.
Durante o período do Império, a liberdade religiosa aos cultos protestantes era muito restrita, o que impedia que se manifestassem publicamente. Por volta de 1880, esta situação foi se modificando e o movimento evangélico, juntamente com o Dia da Bíblia, se popularizando.
Pouco a pouco, as diversas denominações evangélicas institucionalizaram a tradição do Dia da Bíblia, que ganhou ainda mais força com a fundação da Sociedade Bíblica do Brasil, em junho de 1948. Em dezembro deste mesmo ano, houve uma das primeiras manifestações públicas do Dia da Bíblia, em São Paulo, no Monumento do Ipiranga.

Hoje, o dia dedicado às Escrituras Sagradas é comemorado em cerca de 60 países, sendo que em alguns, a data é celebrada no segundo Domingo de setembro, numa referência ao trabalho do tradutor Jerônimo, a Vulgata, conhecida tradução da Bíblia para o latim. As comemorações do segundo domingo de dezembro mobilizam, todos os anos milhões de cristãos em todo o mundo.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Vacina Anti-Religiao

O mais novo projeto do pentágono esta em andamento e vem causando muita polêmica, intitulado VMAT2 a vacina causa alterações no DNA do ser humano para  reproduzir impulsos anti-religiosos através de vacinações.
Sinceramente é o Fim dos Tempos.
Isolando um gene problemático que causa comportamentos impulsivos e religiosos, dos quais a presença supostamente podem ser identificados com exames cerebrais.
A vacina viral que “cura” o fundamentalismo religioso. Inibe o chamado “Gene de Deus“, que faz com que as pessoas sejam mais propensas a ter experiências espirituais.

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

POR QUE A IGREJA ADVENTISTA DO SÉTIMO DIA É UMA SEITA?





INTRODUÇÃO: 

Os Adventistas do Sétimo Dia, no seu trato com os evangélicos adotam a política de não revelar o nome da sua igreja. Um número grande de irmãos patrocinam os alimentos do Superbom, almoçam ou jantam nos restaurantes vegetarianos espalhados pelas grande cidades do brasil e do mundo, compram Cds e Dvs de Leonardo Gonçalves, Take6, Alessandra Samadello, Fernando Iglesias, além de cantarem músicas dos Arautos do Rei, Voz da Profecia, Prisma Brasil e outros sem perceberem que são verdadeiros apoiadores dos Adventistas do Sétimo Dia – a não ser, como aconteceu com o irmão Roberto que, ocasionalmente, depois de almoçar em um restaurante vegetariano recebeu um folheto da Igreja após o pagamento no caixa do restaurante. Eles vão de porta em porta, muitas vezes nos púlpitos de nossas igrejas, vendendo livros falando de saúde, ou apresentando os Livros: As Belas Histórias da Bíblia, vindo como brinde o livro “O Grande Conflito” de Ellen White para induzir os evangélicos para se tornarem adventistas. São os adventistas cristãos ou pertencem a mais uma seita pseudocristã como Testemunhas de Jeová e Mórmons?

1. ORIGEM E HISTÓRIA DO ADVENTISMO

1.1. William Miller

A história da Igreja Adventista do Sétimo Dia (ASD) está ligada a William Miller, que desempenhou papel proeminente no início do Movimento do Advento na América, já que foi ele quem fixou a data de 22 de março de 1843 para a vinda de Cristo à terra. Os adventistas se orgulham de seu nome, pois no livro Fundadores da Mensagem, p. 9, lê-se:“O MOVIMENTO do Advento na América foi originado por homens que estavam desejosos de receber a verdade, quando esta a eles chegasse. Aceitaram-na sinceramente e segundo a mesma viveram, esperando serem dentro em breve transladados. Depois do grande desapontamento todos caíram em trevas". Não ocorrendo o retorno de Cristo na data prevista, Miller apontou a data de 22 de outubro de 1844. Jesus novamente não veio.

1.2. A formação da Igreja Adventista do Sétimo Dia

Após o "Grande Desapontamento" formaram-se vários grupos: o de Hiram Edson, em Port Gibson, o de Joseph Bates, de New Hampshire, Washington, e o de Ellen Gould Harmon White, que começou em Portland, no Maine. Em 1860, em conjunto com a organização da obra de publicações, escolheu-se um nome. Alguns optaram pelo nome “Igreja de Deus”, mas prevaleceu a opinião de que o nome deveria refletir os distintivos ensinos da igreja; assim adotaram o nome de “Igreja Adventista do Sétimo Dia”, e em maio de 1863, organizou-se a Associação Geral dos Adventistas do Sétimo Dia.

1.3. Ellen Gould White e o “espírito de profecia”

No livro Subtilezas do Erro, p. 35, lê-se: “O espírito de profecia é o que, segundo as Escrituras, a par com a guarda dos mandamentos de Deus, seria o característico da igreja remanescente”. No folheto The Mark of the Beast (A Marca da Besta), de George A. Irwin, 1911, afirma-se: “Acreditamos que o Espírito de Profecia é o único intérprete infalível dos princípios bíblicos“. Concluímos, assim, que os ASD possuem além da Bíblia, uma outra fonte de direção divina (Veja Gálatas 1:18; 2ª Coríntios 11:1-4; 1ª Tessalonicenses 5:21; Salmo 119:105,130).

1.4. Visões e revelações de Ellen Gould White

O movimento crê que as visões e revelações de Ellen White foram inspiradas por Deus como foram as de todos os profetas bíblicos. Entretanto, várias foram as profecias que não aconteceram:

• A porta da graça fechada após o Grande Desapontamento de 1844 (Mensagens Escolhidas, v. 1 , p. 63). - Compare com Isaías 55:7; 2ª Coríntios 6:2; Tito 2:11-13.

• “Quando a Inglaterra declarar guerra, todas as nações terão seu próprio interesse em acudir, e haverá guerra geral” (grifo nosso). O livro Subtilezas do Erro, na página 48, tenta defender que ela apenas sugeriu uma possibilidade... A profecia mostrou-se falsa - Deuteronômio 18:20-22.

• Dia e a Hora da Vinda de Jesus “(...) Logo ouvimos a voz de Deus semelhante a muitas águas, a qual nos anunciou o dia e a hora da vinda de Jesus” (Vida e Ensino, pp. 57-58, 94). - Compare com Mateus 24:36 e Atos 1:7.


2. DOUTRINAS DA IGREJA ADVENTISTA DO SÉTIMO DIA

2.1. Doutrina da natureza de Cristo
Os ASD ensinam que Cristo, ao vir à terra, tomou sobre si a natureza pecaminosa do homem: “Em sua humanidade, Cristo participou de nossa natureza pecaminosa, caída. Senão, não seria então ‘em tudo semelhante aos irmãos’ , não seria como nós em tudo.... De sua parte humana, Cristo herdou exatamente o que herda todo filho de Adão - uma natureza pecaminosa “ (Estudos Bíblicos, pp. 140-141). - Compare com Lucas 1:35; João 8:46; 14:30; 1ª Coríntios 15:45; Colossenses 2:9; Hebreus 4:15; 7:26.

2.2. Juízo Investigativo
Segundo a teologia de Ellen Gould White a expiação não foi concluída na cruz do calvário (O Conflito dos Séculos, pp. 420-421). Ao terminarem as 2300 tardes e manhãs, Jesus entrou no lugar santíssimo para efetuar a última parte da sua solene obra - Purificar o santuário (Compare com Hebreus 6:19-20; 8:1; 10:19, 20; Levítico 16:2; Números 7:89; 1º Samuel 4:4; 2º Reis 19:15 e Êxodo 26:33). Veja ainda Hebreu 1:3.

2.3. O lugar de Satanás na Expiação
A doutrina da expiação da Igreja Cristã tem defendido que Cristo é o único expiador, sendo que Satanás não tem nenhuma parte na expiação. Com base em Levítico 16:5-10, alegando que o bode emissário tipifica Satanás, os ASD defendem que Satanás não somente levará o peso e castigo de seus próprios pecados, mas também os pecados da hoste dos remidos, os quais foram colocados sobre ele. - Veja Isaías 53:4-6, 11, 12 e compare com Mateus 8:16-17; João 1:29; 1ª Pedro 2:24; 3:18.

2.4. A mortalidade ou sono da alma
O livro Subtilezas do Erro, p. 249, diz “O que o homem possui é o “fôlego da vida” ou “vida” (o que dá animação ao corpo), que lhe é retirado por Deus quando expira. E o fôlego é reintegrado no ar, por Deus. Mas não é entidade consciente ou o homem real como querem os imortalistas”. A Bíblia desmente tal doutrina - o dormir refere-se ao corpo - Mateus 27:52 e Deuteronômio 34:5-6, comparados com Mateus 17:1-3.

2.5. Os adventistas do sétimo dia e os dois concertos
Insistem os ASD em dizer que o decálogo é obrigatório, e assim, vivem no Antigo Concerto, afirmando que todos os não-sabatistas são transgressores da lei. O Antigo Concerto, porém, foi dado a Israel, que não o cumpriu. Veio Jesus, cumpriu a lei e realizou um Novo Concerto, sob o qual estamos. - Veja Hebreus 8:6, 7, 10, 11, 13; Colossenses 2:16, 17; Hebreus 12:18-24 e Gálatas 4:21-26.

2.6. A divisão da Lei: Lei de Deus e Lei de Moisés
O folheto Leis em Contraste, pp. 2-3, diz: “A Lei Moral, os Dez Mandamentos, chamados Lei de Deus” “O mesmo não se dá com a Lei Cerimonial, freqüentemente chamada de Lei de Moisés”. Entretanto “lei de Deus” e “lei de Moisés” são expressões sinônimas na Bíblia - Romanos 6:11-17; Gálatas 5:18-21; 2ª Coríntios 3:6-11.

2.7. A Guarda do Sábado
Ellen White em O Conflito dos Séculos, p. 611, diz: “O sábado será a pedra de toque da lealdade... traçar-se-á a linha divisória entre os que servem a Deus e os que não O servem”. Afirmam ainda que “o selo de Deus na vida do cristão é a guarda do sábado” Veja Oséias 2:11; Colossenses 2:16-17; Isaías 1:13-14; Gálatas 4:9-10.

2.8. A Guarda do Domingo
Dizem os adventistas que a guarda do domingo é de origem pagã. Citam, no folheto Por que se Guarda o Domingo?, O dicionário Webster’s, que reza: “chama-se assim [Sunday] (dia do sol), porque era antigamente dedicado ao Sol ou ao seu culto”. Por esta lógica, a guarda do sábado também é de origem pagã, pois Saturday (sábado, em inglês) era o dia do deus Saturno, celebrado com orgias.

2.9. É a guarda do domingo o sinal da besta (666)?
Para os ASD o selo de Deus na vida do cristão é a guarda do sábado; logo, afirmam que todos os que não guardarem o sábado receberão o sinal da besta - Veja Efésios 1:13; 2ª Timóteo 2:19; 2ª Coríntios 6:17; Romanos 4:25 e Apocalipse 1:10.

3. CONCLUSÃO
Concluímos, com base nos fatos apresentados, que apesar de a igreja ter as melhores escolas, hospitais, grupos musicais como: Prisma, Karisma, Voz da Profecia, Arautos do Rei e outro, os Adventistas do Sétimo Dia têm se comportado como judaizantes, paralelos aos da época apostólica. Os que dependem das obras da lei para a salvação não são verdadeiros cristãos (Efésios 2:8-15).
Pr  Joaquim de Andrade

As Testemunhas de Yehoshua



História e doutrina

Um novo movimento está surgindo entre o povo, denominado Igrejas de Deus das Testemunhas de Iehoshua, conhecido também por Testemunhas de Iehoshua. Fizemos um levantamento sobre esta nova seita, pesquisamos seu material (algumas apostilas) e entrevistamos, via telefone, o fundador da nova religião. O movimento foi fundado em 1987, em Curitiba, PR, por Ivo Santos de Camargo. O fundador não possui formação teológica formal. Diz que estudou hebraico durante dois anos, após a suposta revelação.Atualmente dirige a Igreja, segundo ele, com cerca de 100 membros. Afirma que seu movimento está do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte.
O fundador afirma nunca pertencer a uma igreja evangélica, mas diz haver visitado algumas delas. Diz que recebeu uma revelação de Deus sobre a pronúncia exata do tetragrama (nome divino, as quatro consoantes [YHWH] e que esse nome é o mesmo do Salvador. Segundo o fundador, o nome “Jesus” é uma abominação, é o paganismo do catolicismo romano. O nome que veio do céu, diz, é Iehoshua. Afirma ainda “ser filho direto da revelação”, portanto sua ordenação é direta com Deus. É contra a todas as igrejas evangélicas, admite que a salvação depende do conhecimento e da revelação do nome Iehoshua, e mesmo assim, dentro de sua organização religiosa.
Os adeptos do referido movimento, sob a orientação de seu fundador, negam a doutrina da Trindade, embora defenda a deidade absoluta de Jesus. É o sabelianismo modal, como a Igreja Local de Witness Lee e a Igreja Voz da Verdade, do conjunto musical de mesmo nome. São sabatistas, defendem a guarda do sábado, como os adventistas do sétimo dia. Defendem duas categorias de salvos, mais ou menos como as Testemunhas de Jeová: Os cristãos salvos vão para céu, exceto os judeus, assírios e egípcios, estes herdarão a terra. São exclusivistas como as demais seitas pseudo-cristãs.
Os adéptos da nova seita costumam visitar os templos evangélicos em grupos, para tumultuar o ambiente. Um membro do grupo pergunta ao pregador sobre Iehoshua e Jesus. É óbvio que dificilmente vai encontrar alguém que saiba hebraico, nem elas mesmas o sabem, são pedantes. Quando o pregador se embaraça os demais membros do grupo começam a gritar criando uma verdadeira balbúrdia no culto. São proselitistas. Estão preocupados em arrebanhar os cristãos evangélicos, pois são pescadores de aquários.
É uma seita inexpressiva e seus argumentos só podem convencer as pessoas mais simples e os incautos. Suas crenças são inconsistentes e de uma pobreza franciscana. É bom lembrar que C. T. Russell, fundador das Testemunhas de Jeová, começou com suas idéias subjetivas, posteriormente transformando suas ficções em “verdades”, pelo processo de lavagem cerebral. Sua religião conta hoje com quase seis milhões de adeptos em todo o mundo. A Igreja do final do século passado e do início do século vinte subestimou o tal grupo. Com o trabalho ferrenho de casa em casa, aos poucos eles vão crescendo.
Se as igrejas da atualidade subestimarem a seita Testemunhas de Iehoshua, poderemos ter o mesmo problema no futuro, pois a mentira repetida vinte vezes se torna “verdade”, como dizia Mussolini. Apesar das crenças dessas seitas serem ficções, doutrinas subjetivas, sem base bíblica, todavia elas estão fazendo proselitismo. O povo precisa saber que a crença delas é um combate contra o Cristianismo bíblico.

JESUS OU IEHOSHUA?
Origem do nome

O nome Jesus vem do hebraico (Yehoshua) — “Josué”, que significa “Iavé é salvação”. Josué era chamado de Oshea ben Num “Oséias filho de Num” (Nm 13.8; Dt 32.44). “Oshea” significa “salvação”. Moisés mudou seu nome para Yehoshua ben Num “Josué filho de Num” (Nm 13.16).
A Septuaginta usou o nome (Iesus) para Yehoshua, portanto Iesus é a forma grega do nome Yehoshua, exceto I Cr 7.27, que transliterou por (Iousue) — “Josué”. Depois do cativeiro de Babilônia, o nome Yehoshua era conhecido por (Yeshua). Em Neemias 8.17 Josué é chamado Yeshua ben Num. Yeshua é o nome hebraico para Jesus até hoje em Israel. Isso pode ser comprovado em qualquer exemplar do Novo Testamento hebraico.
O sumo sacerdote Josué, filho de Joazadaque, é chamado em hebraico simultaneamente de Yeshua (Ed 3.2, 8; 4.3; 5.2; Ne 7.7) e Yehoshua (Ag 1.1, 12, 14; 2.2, 4; Zc 3.1, 3, 6, 8, 9; 6.11). Embora nossas versões usem Jesua (Almeida Corrigida, Atualizada e Contemporânea) Jesuá (Revisada) Jeshua (Brasileira), contudo a Septuaginta não faz essa distinção — Usa Iesus para ambos. Iesus é o nome do Messias, o nosso Salvador, registrado no Novo Testamento, que chegou para nossa língua como Jesus.

O NOME YEHOSHUA

O que as Testemunhas de Jeová fazem com o nome “Jeová”, assim o fazem as Testemunhas de Yehoshua com relação ao Deus-Pai e ao Deus-Filho. O fundador disse que recebeu uma revelação de que a pronúncia correta do tetragrama não é Jeová, Javé, Iahweh e nem Yehovah, mas Iehoshua. Agora procuram justificar esta “descoberta” em Êx 23.20, 21, que diz: “Eis que eu envio um Anjo diante de ti, para que te guarde neste caminho e te leve ao lugar que te tenho aparelhado. Guarda-te diante dele, e ouve a sua voz, e não o provoques à ira; porque não perdoará a vossa rebelião; porque o meu nome está nele”. Afirma que esse Anjo é Josué, com base na expressão: “o meu nome está nele”. Como o nome “Josué” em hebraico é Yehoshua assim explica sua teoria.
Negando a doutrina bíblica da Trindade afirma que Iehoshua é o nome do Deus de Israel, revelado no Velho Testamento, e que esse nome é o mesmo do Messias, que deve ser invocado por “Iehoshua” e não por “Jesus”. Segundo eles: “Jesus é o nome que os papas introduziram nas Sagradas Letras, blasfemando do nome que veio do céu”. Em outra literatura diz: “No fim do III século da era cristã, quando o bispo Jerônimo traduziu as Escrituras para o latim, a língua oficial do império romano. Nesta ocasião o nome original IERROCHUA foi substituído pelo nome grego-romano (IESOUS)”.
É pena que essas vítimas estejam tão mal-informadas. Há textos do Novo Testamento anterior a data apresentada pela seita, que mostram que a infirmação dessas vítimas não é verdadeira. Por exemplo: Os papiros 45, 46 e 47, conhecidos como Chester Beatty, que se encontram atualmente no museu Beatty, em Dublin, Irlanda, são do início do terceiro século, e trazem a forma abreviada de (Iesus) — IS ou IC. Da mesma forma os Papiri Bodmeriani, 66, 75 e 76, que se encontra na Biblioteca Bodmer, em Geneve, Suiça. O papiro 75 contém os evangelhos de Lucas e João, é datado entre 175 e 225 AD. Esse argumento de que o nome Iesus é coisa de Jerônimo, no fim do século III não procede.
Ensinam que o Pai é Filho e o Filho é Pai: Doutrina sabelianista. Jesus disse: “E na vossa lei também está escrito que o testemunho de dois homens é verdadeiro. Eu sou o que testifico de mim mesmo, e de mim testifica também o Pai, que me enviou” (Jo 8.17, 18). Essa passagen bíblica, por si só, destrói completamente o sabelianismo e qualquer doutrina unicista. Além disso, encontramos vezes, nios evangelhos, Jesus se dirigindo ao Pai como outra pessoa. Negam, como as Testemunhas de Jeová, a personalidade do Espírito Santo.
O primeiro problema dessa interpretação, para não dizer invenção, é que a pronúncia Yehoshua, não comporta no tetragrama. Diz o fundador do referido movimento: “Essa vocalização foi feita pelo ANJO, não por homens”. Isso que a seita fez não é vocalização, pois as letras hebraicas (ayin) e (shin), que aparecem no nome Yehoshua são consoantes. O problema da pronúncia exata do tetragrama diz respeito meramente com as vogais, e o fundador acrescenta duas consoantes. As letras y (yiud), h (he) e w (vav) aparecem no nome Yehoshua, mas no tetragrama o he aparece duas vezes. O nome (Yehudah) “Judá” traz as quatro consoantes hdwhy, eliminando a letra dalet d fica o tetragrama hwhy. O nome “Judá”, em hebraico, se aproxima mais do tetragrama que o nome de “IEHOSHUA”. Nem com uma camisa-de-força seria possível ser essa a pronúncia exata do tetragrama, é impossível tal pronúncia. Yehoshua não é o nome do Deus de Israel e nem de seu Filho Jesus, mas o nome de dois personagens que são figuras de Cristo: Josué filho de Num e Josué filho de Jozadaque.

O misterioso anjo

Por que o referido Anjo deveria se Josué, segundo a seita? Alegam esses adeptos que isso é pelo fato de o texto afirmar: “o meu nome está nele”. A Bíblia diz que Deus pôs o seu nome sobre os filhos de Israel (Nm 6.27); sobre o Templo de Jerusalém (II Cr 7.15); sobre a cidade Santa e assim por diante. Por que só nessa passagem os adeptos de Ivo dos Santos Camargo afirmam que esse Anjo é Josué? Assim, essa expressão “o meu nome está nele” não justitica a teoria das Testemunhas de Iehoshua.
O Anjo nesta passagem é um ser sobrenatural que haveria de proteger Israel até a total extinção dos amorreus, heteus, ferezeus, cananeus, heveus e jebuseus (Êx 23.23). A fortaleza dos jebuseus só foi conquistada por Davi, mais de 350 anos depois da morte de Josué (2 Sm 5.6-9). Logo esse anjo não pode ser Josué.
Deus se manifestou como anjo diversas vezes. Esse misterioso Anjo aparece a Agar, no relato do nascimento de Ismael (Gn 16.7-13). No v. 10 o Anjo diz: “Multiplicarei sobremaneira a tua semente”. No v. 13 “E Ela chamou o nome do SENHOR, que com ela falava: Tu és o Deus da vista”. Quem falava com ela era Deus ou o Anjo? Da mesma forma, encontramos na teofania do sarçal ardente: “E apareceu-lhe o Anjo do Senhor em uma chama de fogo… e vendo o SENHOR que se virava… bradou Deus… Eu sou o Deus de teu pai… (Êx 3.2, 4, 6). Ora, quem apareceu a Moisés foi Deus ou o seu Anjo? Como se explica isso Esse Anjo, que além de apresentar atributos divinos, diz explicitamente que é Deus. Ele é o Messias pré-encarnado, portanto, o próprio Deus. É esse o significado de “o meu nome está nele”. (Êx 23.21). O próprio Josué teve um encontro com esse Anjo (Js 5.13-15).
Assim fica claro que Yehoshua é um nome e o tetragrama é outro. O que nos espanta é o fato de alguém afirmar de maneira aleatória que “isso é aquilo” sem sustentação alguma baseado exclusivamente no subjetivismo e em cima disso criar uma religião. O pior de tudo isso é que ainda consegue adeptos!

Algumas supostas objeções

Questão da letra j. Diz o fundador das Testemunhas de Iehoshua que o nome correto de nosso Salvador não pode ser “Jesus” por não existe a letra j na língua hebraica. Esse argumento é de uma pobreza franciscana! É verdade que o j não existe no hebraico, grego e latim. No hebraico a letra y yud representante tanto o som vogal i como a consoante y. O mesmo acontecia com o latim com as letras i e u. O emprego das letras j e v para representar i e u consonânticos ocorreu na época do Renascimento, e difundido por Pierre de la Ramée. Por isso lemos Jerusalém, e não Yerushalayim; Jeremias, e não Yeremiahu; Jonas, e não Yonah; Joaquim, e não Yehoiacin; e assim por diante.
O número 666. Alegam que a expressão “Jesus Cristo Filho de Deus” equivale ao número 666, isso para consubstanciar sua teoria de que o nome “Jesus” é satânico. Antes de tudo, convém salientar que, com um pouco de criatividade, é possível tomar o nome de qualquer personagem e adaptar com seus títulos selecionados até que se chegue ao número 666. Isso é possível fazer com o nome do próprio líder do movimento Testemunhas de Iehoshua. Quando se quer rotular alguém de 666 há muitas maneiras de fazê-lo. Se não funcionar em caracteres latinos, pode-se usar caracteres hebraicos. Se um título não encaixar, substitui por outro, ou adiciona mais um adjetivo. Se mesmo assim não for possível, basta criar cálculos cabalísticos. Esse artifício das Testemunhas de Iehoshua só convence quem prefere trevas à luz.
Outro ponto importante é que não existe na Bíblia a expressão “Jesus Cristo Filho de Deus”. Essa construção não é bíblica. A Bíblia ensina inúmeras vezes que Jesus é o Filho de Deus, mas não com essa construção. Colocar essa construção em latim para depois adaptar ao número 666 é um artifício maligno para atacar o cristianismo bíblico. Nome não se traduz. É verdade que nome não se traduz, mas se translitera conforme a índole de cada língua. Os nomes Eva, David e outros que levam a letra w wav, “v” em hebraico aparecem como Eua, Dauid, nos textos gregos. No grego moderno a letra b beta b na antigüidade”, hoje é v. Hoje se escreve Dabid para David e Eba para Eva.
Há nomes que permanecem inalteráveis em outras línguas, mas não são todos. O nome “João”, por exemplo é Yohanan, em hebraico; Ioannes, em grego; John, em inglês; Jean, em francês; Giovani, em italiano, Juan, em espanhol; Johannes, em alemão. Jacó, em hebraico é Yaakov; Iakobo (Tiago), em grego; Jacques, em francês; Giácomo, em italiano; Jacob, em inglês. Há nomes que mudam substancialmente de uma língua para outra. Eliazar, em hebraico, é Lázaro em grego. Elisabete é a forma hebraica do nome grego Isabel. O argumento, portanto, de o nome deve ser preservado na forma original, em todas as línguas é inconsistente, sem apoio bíblico.
Iesus. Alegam que o nome Iesus é uma zombaria do nome de Deus, pois sUs (sus) significa “cavalo” em hebraico. Esse argumento é um insulto à inteligência humana, porque Iesus é nome grego e sus é hebraico. O nome Iesus é a forma grega do nome hebraico Ieshua. Segundo O Novo Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento, o “s” foi acrescido para facilitar a declinação: “Iesus é a forma gr. Do antigo nome judaico Yesua, forma esta que se obtém mediante a transcrição do heb., acrescentando-se um -s para facilitar a declinação”. “Cavalo”, em grego, é hyppos, e não sus.
Septuaginta. Quanto à Septuaginta, alegam que é uma lenda. É verdade que muitos rejeitam sua origem como descritas por Josefo e Aristéias, mas isso não anula a sua existência. No prólogo do livro apócrifo de Eclesiástico, datado do ano 38 da morte de Evergetes (aproximadamente 110 a. C) menciona a Lei, os profetas e os demais livros traduzidos para o grego. No Novo Testamento, em todos os livros que apresentam citações diretas do Velho Testamento, só nas epístolas a Timóteo e em II Pedro não há citações da Septuaginta. São citações de Gênesis, Êxodo, Deuteronômio, Salmos, Provérbios, Isaías, Oséias, Joel, Amós, Habacuque e Ageu. É correto, portanto, afirmar que a Septuaginta foi citada por Jesus e seus apóstolos.
O nome Iesus, usado várias vezes na Septuaginta para o correspondente hebraico Yehoshua ou Yeshua aparece duas vezes no Novo Testamento grego em Atos 7.45; Hebreus 4.8, em relação a Josué filho de Num. Se os tradutores da Septuaginta mutilaram os nomes próprios do Velho Testamento, como querem as Testemunhas de Iehoshua, como explicar essas passagens do Novo Testamento? Será que os escritores neotestamentários cometeram o mesmo “erro”?
Os manuscritos e papiros gregos do Novo Testamento trazem 15 nomes que são escritos de forma abreviada, são os nomina sacra, são eles: Deus, Pai (quando se refere a Deus) Senhor, Salvador, Filho, homem (na expressão Filho do homem), Jesus, Cristo, céu, Davi, Espírito, cruz, Israel mãe e Jerusalém. O nome “Jesus” aparece de forma abreviada IS ou IC, na forma antiga: primeira e última letras do nome. O nome Josué aparece por extenso nas duas passagens citadas acima. Como o fundador do movimento das Testemunhas de Iehoshua descobriu que o nome escrito originalmente no Novo Testamento grego foi Yehoshua? Ele não acredita na autoridade dos manuscritos gregos? Veja o leitor que essa doutrina é um disparate.

OS DISSIDENTES E SUAS CRENÇAS

Apesar de o movimento ser tão novo, já saiu outro grupo dele. Os dissidentes do movimento, que também se identificam como Testemunhas de Iehoshua, defendem os mesmos princípios do fundador, indo mais além: Negam a autoridade do evangelho de Mateus; ser Jesus o Filho de Deus, dizem que Jesus é filho de José e Maria, negando o nascimento virginal de Jesus, alegam que só após a ressurreição ele “tornou-se” Filho de Deus.

Filho de Deus

Os dissidentes das Testemunhas de Iehoshua catalogam todas as passagens bíblicas que revelam a linhagem humana de Jesus para questionar a sua filiação divina. Isso para consubstanciar a sua doutrina de que Jesus tornou-se Filho de Deus pela sua ressurreição, e citam para isso Romanos 1.4. Onde eles citam tais passagens, deveriam acrescentar as passagens bíblicas que provam ser Jesus o Filho de Deus, mesmo durante o seu ministério terreno, portanto, antes de sua morte e ressurreição, mas isso não o fazem.
A fé cristã nos obriga a crer que Jesus é o verdadeiro Deus e o verdadeiro homem. Jesus possuía duas naturezas: Humana e divina. A Bíblia está repleta de passagens que mostram o lado humano de Jesus, tanto nas características: Nasceu, cresceu, sentiu fome, sede, cansaço, sono etc., bem como a sua origem humana, traçada desde a genealogia. Isso, em nada neutraliza o lado divino e a sua filiação divina. Disse o apóstolo João: “Qualquer que confessar que Jesus é o Filho de Deus, Deus permanece nele, e ele em Deus” (1 João 4.15). “Quem é o que vence o mundo, senão aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus?” (1 João 5.5). “Quem crê no Filho de Deus, em si mesmo tem o testemunho; quem a Deus não crê, mentiroso o fez; porquanto não creu no testemunho que Deus de seu Filho deu”(1 João 5.10).

O evangelho de Mateus

Eles recusam o evangelho de Mateus chamando-o de “Evangelho Duvidoso”, pois se diz que foi escrito originalmente escrito em hebraico e depois traduzido para o grego. Nessa tradução, segundo eles, o texto foi corrompido. Alegam que é o único dos evangelhos que tem o batismo em nome da Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo (Mateus 28.19); permissão para o divórcio (Mateus 19.9) salvação pelas obras (Mateus 25.34-36); substancia o papado (Mateus 16.16-19); considera o nascimento virginal de Jesus cumprimento de Isaías 7.14.
Só pelo fato de este grupo rejeitar o Evangelho de Mateus já tem o repúdio dos cristãos. Não é um grupo de pessoas obscuras e de conhecimento bíblico duvidoso que vai por em xeque uma obra que passou por escrutínio da mais alta erudição durante esses vinte séculos de cristianismo. Seus argumentos são artificiais e inconsistentes.
Ainda não está confirmado que Mateus escreveu o seu evangelho em hebraico ou aramaico. Apesar dos fortes testemunhos da patrística, desde o segundo século, contudo, nada há no conteúdo deste evangelho que confirme essa versão. Antes, o contrário, a expressão encontrada nele: “Que traduzido é: Deus conosco” (Mateus 1.23) mostra que não haveria nec”Portanto o Senhor mesmo vos dará um sinal: eis que uma virgem conceberá, e dará à luz um filho, e será o seu nome Emanuel” (Isaías 7.14).
O substantivo hebraico para “virgem” usado nesta passagem é (almah). Isto tem dado espaço para intermináveis controvérsias, principalmente por eruditos judeus e por teólogos “cristãos” modernistas, na tentativa de neutralizar a doutrina do nascimento virginal de Jesus. Alguns afirmam que a palavra mais apropriada para “virgem” seria (b’tulah) e com isso querem dissociar Mateus 1.23 de Isaías 7.14. Nessa linha estão também os dissidentes iehoshuolitas.
A palavra b’tulah aparece 51 vezes no Velho Testamento hebraico e é traduzida 44 vezes por (parthenos), na Septuaginta. Ela pode se aplicar a uma mulher casada (Jl 1. o que não ocorre com o substantivo almah, que só se aplica a mulher solteira. W. E. Vine, com base em Joel 1.8, diz que b’tulah nos textos aramaicos tardios era aplicada a uma mulher casada. Isso, portanto, segundo Vine, traria muita confusão: “Não ficaríamos sabendo o que era exatamente o que tinha em mente. Estava se referindo a uma que era verdadeiramente virgem, ou uma que estava desposada, ou uma que já havia conhecido marido? À luz destas considerações, parece que a eleição da palavra almah foi deliberada. Parece que é a única palavra hebraica disponível que indicaria com clareza que aquela a que ele designa não estava casada”.
O substantivo almah aparece 9 vezes no Velho Testamento hebraico (Gn 24.43; Êx 2.8; 1 Cr 15.20; Sl 46 (título, pois a palavra hebraica alamoth é plural de almah); 68.25; Pv 30.19; Ct 1.3; 6.8; Is 7.14). Em dois lugares a Septuaginta traduziu por parthenos, que significa “virgem” (Gn 24.43; Is 7.14). A mesma Rebeca que é chamada “virgem, [b’tulah, em hebraico] a quem varão não havia conhecido”, no v. 16 desse mesmo capítulo, é chama de almah. A Septuaginta foi traduzida antes do nascimento de Jesus (285 a. C., segundo Josefo e a carta de Aristéia). Há muitas controvérsias quanto a essa data. Qualquer que seja, o certo é que foi antes do nascimento de Jesus. A tradução foi feita por rabinos, portanto, entendiam que almah em Isaías 7.14 se tratava de uma “virgem”. Assim era o significado dessa palavra na época.
É muito suspeito que só depois do surgimento do cristianismo que os judeus procuraram reavaliar o significado dessa palavra. As versões gregas do Velho Testamento, que vieram após o cristianismo substituíram parthenos por neanis “jovem”. Áquila era judeu e discípulo do rabino Akiva (morto em 132 AD). A outra versão é a de Teodócio, apóstata do cristianismo, que voltou ao judaísmo (final do segundo século AD); e finalmente a de Símaco, que era ebionita (seita judaica que negava a divindade de Cristo) preparada em 170 AD.
Diz o Dr. Aage Bentzen, nada ortodoxo, contra a nossa linha conservadora, mas admite que parthenos veio dos próprios judeus: “Contra a Igreja os judeus sustentavam que Is 7.14 não fala de uma ‘virgem’ (parthenos), mas de uma ‘mulher jovem’ (neanis). Os cristãos respondiam acertadamente que a tradução parthenos provém de tradutores judeus”. Até hoje, para fazer frente contra o nascimento virginal de Jesus, os judeus, em Israel usam almah para “senhorita”.
Há quem diga que o contexto do Velho Testamento não fornece luz suficiente para o significado de “virgem”, contudo, muitos eruditos afirmam o contrário. Gerard Van Groningen cita cinco autoridades no assunto sobre a palavra ugarítica galmatu encontrada nos documentos de Ras Shamra. Uma dessas autoridades, H. Wolf, em sua obra Interpreting and Glory of the Messiah, p. 450, diz: “Nos três lugares onde glmt, o equivalente exato de almah, é usado, ele refere-se a uma jovem procurada para casamento”.
Gerard Van Groningen apresenta a seguinte conclusão: “Um exame dos materiais disponíveis a estudiosos e peritos, como indicado acima, leva-nos à segura conclusão de que, com base no uso do termo tanto em hebraico quanto em ugarítico o termo almah deve ser traduzido por ‘virgem’. A Septuaginta dá pleno apoio a isto e o testemunho do Novo Testamento (Mt 1.23) dá a palavra final. Isaías disse e pretendeu dizer virgem”.

A Trindade

Tanto as Testemunhas de Iehoshua como seus dissidentes, ambos negam a Trindade, como é característica das seitas. Segundo Jo 17.3, a doutrina de Deus é uma questão de vida ou morte. Jesus classificou o assunto como o primeiro de todos os mandamentos (Mc 12.29).
O nome “Deus” é polissêmico na Bíblia. Aparece com referência ao Pai sozinho, como Deus verdadeiro e absoluto (Fp 2.11), em Jo 1.1: “…e o Verbo estava com Deus…”; com referência ao Filho, como sendo Deus absoluto, com toda a sua plenitude (I Jo 5.20; Cl 2.9; e na terceira parte de Jo 1.1: “…e o Verbo era Deus”. Da mesma forma com relação ao Espírito Santo (At 5.3-4); e muitas vezes esse termo “Deus” se aplica à Trindade (I Co 15.28; Mc 12.32). O mesmo acontece com o tegragrama hwhy (YHWH) “YAHWEH”, ou “SENHOR”, conforme nossas versões do Velho Testamento. Refere-se ao Pai (Sl 110.1), ao Filho (Jr 23.5-6), ao Espírito Santo (II Sm 23.2-3), e à Trindade (Dt 6.4; Sl 83.18).
A Bíblia ensina que cada uma destas pessoas é Deus absoluto em toda a sua plenitude. Contudo não ensina um triteísmo, pois enfatiza a existência de um só Deus. A Trindade, portanto, é a união de três Pessoas distintas em uma só Divindade, e não em uma só Pessoa, pois a unidade de Deus é composta e não absoluta.
Os dissidentes do movimento de Ivo dos Santos Camargo, além de negarem a Trindade, recusam aceitar a autoridade do evangelho de Mateus. A Trindade está em toda a Bíblia e não meramente em Mateus. Nenhum cristão está autorizado a rejeitar certos livros da Bíblia pelas suas peculiaridades. O fato de Mateus ser o único a registrar a fórmula batismal não significa que o texto seja espúrio, pois cada livro da Bíblia sem as suas peculiaridades. Marcos foi o único registrou o moço desnudo que fugiu por ocasião de prisão de Jesus (Marcos 14.51, 52). Lucas foi o único que registrou a origem de João Batista, a infância de Jesus, a parábola do filho pródigo, as passagens do Rico e Lázaro e do Bom Samaritano. João foi o único que registrou o milagre de Caná da Galiléia, transformando água em vinho, a ressurreição de Lázaro, o lava pés etc. Isso, por si só, destrói completamente o interpretação das Testemunhas de Iehoshua.
Quanto à salvação pelas obras, convém salientar que a passagem de Mateus 25.34-36 não diz respeito à salvação. O texto fala do julgamento das nações. O divórcio não é peculiaridade de Mateus, Paulo também admitia o divórcio em certas circunstâncias (I Co 7.10-15). O nascimento virginal de Jesus é também confirmado em Lucas 1.34 “Então Maria perguntou ao anjo: Como se fará isso, uma vez que não conheço varão?”

Conclusão

Ultimamente tem havido inúmeras inovações no meio do povo de Deus. Tanto fora da Igreja como no seio dela surgem as heresias. O apóstolo Paulo disse que Deus permite que isso aconteça para provar os fiéis (1 Co 11.19). É verdade que cada ser humano tem a liberdade pensamento e de expressão. Tem o direito de expressar seus pensamentos por mais exóticos que sejam. Causa-nos estranheza o fato de esses agentes dessas idéias excêntricas encontrarem adeptos, acharem quem acredite nessas invenções.
Os fundadores de seitas costumam dizer que receberam revelação direta de Deus. Geralmente essas revelações contradizem a Bíblia. Seus adeptos, muitas vezes, deixam a Bíblia para seguirem seus líderes. Isso aconteceu com Joseph Smith Jr, fundador do mormonismo; William Miller, depois Ellen Gould White, com o adventismo do sétimo dia; Charles Taze Russell, fundador das Testemunhas de Jeová; etc., e agora Ivo dos Santos Camargo, com as Testemunhas de Iehoshua.
Todo líder que procura impor uma inovação com base em suas supostas revelações, como doutrina básica de sua religião, deve ser rejeitado. A dona Valnice Milhomens resolveu defender a guarda do sábado porque, segundo ela, recebeu essa “iluminação” quando estava visitando Israel. Agora se insurge contra a ortodoxia cristã. Ainda que, no seu caso, não seja propriamente uma inovação, mas um retrocesso, pois os adventistas do sétimo dia já vem defendendo essa doutrina desde os dias da Sra. Ellen Gould White.
O nosso alerta às igrejas se encontra no apóstolo Paulo: “Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina; persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem” (I Tm 4.16).

Fonte:

Artigo escrito pelo Pr. e Dr. Esequias Soares da Silva

domingo, 10 de novembro de 2013

CONSAGRAÇAO

NO ULTIMO 09 DE NOVEMBRO DE 2013 POR OCASIÃO DA 85 REUNIÃO DO CONSELHO REGIONAL DA IGREJA DE CRISTO NO BRASIL, NA ICB DO POTENGI NATAL (RN), O Pb Enéas Valerio Damasceno Neto foi consagrado a pastor.

domingo, 3 de novembro de 2013

ONDE ESTÃO OS FINADOS?


 2 de Novembro é "dia de finados" no Brasil. Boa oportunidade para se fazer a pergunta acima. Eu sei que a resposta óbvia é "enterrados no cemitério", mas eu me refiro à alma dos finados. A resposta bíblica pode ser resumida em alguns pontos, que não pretendem ser exaustivos, mas que representam o pensamento evangélico histórico e reformado sobre o que acontece após a morte. 1 - Imediatamente após a morte, as almas dos homens voltam a Deus. Seus corpos permanecem na terra, onde são destruídos. 2 - As almas dos finados não caem em um estado de sono ou de inconsciência após a morte. 3 - As almas dos salvos em Cristo Jesus entram em um estado de perfeita santidade e alegria, na presença de Deus, e reinam com Cristo, enquanto aguardam a ressurreição de seus corpos. 4 - Esta felicidade não é impedida pela memória de suas vidas na terra, uma vez que agora eles consideram tudo à luz de perfeita vontade de Deus e do Seu plano perfeito. 5 - Sua felicidade e salvação é somente pela graça de Deus. Eles não têm poder de interceder pelos vivos ou tornar-se mediadores entre eles e Deus. 6 - As almas dos perdidos não são destruídas após a morte, mas entram em um estado de sofrimento consciente e de escuridão, tirados da presença de Deus, enquanto esperam o dia do julgamento. 7 - Não há outros estados além destes dois após a morte. Não há qualquer base bíblica para a doutrina do purgatório e nem da reencarnação. 8 - Nem as almas dos salvos nem as dos perdidos podem voltar para a terra dos vivos após a morte. Todas os fenômenos considerados como a ação de almas desencarnadas deve ser atribuída à imaginação humana ou à ação de demônios. A realidade da morte e da sobrevivência da alma deveria nos lembrar sempre das palavras de Jesus: "De que adiante ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma.
Augusto Nicodemus.

domingo, 27 de outubro de 2013

Aniversário 22 anos da Igreja de cristo em João Câmara

 AMOR – RESTAURAÇÃO – UNIDADE – COMPROMISSO -  DEDICAÇÃO -  BUSCA – COMPARTILHAMENTO – DESEJO DE VENCER...

Todos com o mesmo propósito, cuja missão é fazer o melhor para Deus.
Buscar almas lá fora, restaurar vidas e famílias, integrar adultos, jovens, adolescentes e crianças.
Realmente estamos vivendo um tempo muito especial em nossa IGREJA, cada vez mais vemos pessoas de maneira muito ativa em nossa comunidade, tenho certeza que através do comprometimento e a vontade de levar o evangelho, somarão uma produtividade muito importante de cuidar dos que já são de nossa igreja e aqueles que ainda vão chegar! Esse é o meu desejo, e com muito trabalho em cada área e principalmente na formação de obreiros. Muitos requisitos ainda nos faltam mais lutaremos e com certeza  colheremos um futuro muito melhor.

Precisamos nos firmar no presente, a nossa vida hoje é um reflexo ou é um retrato do nosso futuro. A palavra de Deus é o nosso fundamento, é a verdade que mostra Jesus como o único caminho para um futuro brilhante e promissor. Quem não lê a Bíblia, não estuda, não dedica tempo medita-la está destinado ao fracasso num futuro próximo ou remoto, pois não tem alicerce, não tem fundamento, não tem estrutura para vencer as batalhas pelas quais com certeza virão um dia. A Bíblia é a nossa única fonte de sabedoria. : “E, assim, a fé vem pela pregação, e a pregação, pela palavra de Cristo” (Rm. 10:17).  No texto de Filipenses 3:14 a última parte diz: “avançando para as que diante de mim estão,prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.”Jesus também disse em Lucas 9:62  “Ninguém que, tendo posto a mão no arado, olha para trás é apto para o reino de Deus.” Então teremos que olhar somente para frente, somente para o futuro, somente para as coisa boas que Deus tem preparado para aqueles que o amam. E Deus tem coisas grandes e maravilhosas, basta orarmos pedindo com fé, “Invoca-me, e te responderei; anunciar-te-ei coisas grandes e ocultas, que não sabes”. (Jr. 33:3).
Precisamos fazer a nossa parte, vivemos numa parceria com Deus, ele sempre faz a sua parte, ele é fiel  “Deus é fiel”. Se em algum momento na vida as coisas não aconteceram como gostaríamos ou se tivemos alguma derrota ou fracasso, uma coisa é certa: a culpa não foi de Deus pois a bíblia diz em Efésios 3:20 “Ora, àquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos, conforme o seu poder que opera em nós,”
Deus tem um novo tempo e uma nova história para a sua vida e com certeza para nossa cidade!. Você quer? Faça a sua parte.  O Salmo 37:5 diz  “Entrega o teu caminho ao SENHOR, confia nele, e o mais ele fará.”.  . E você que talvez esteja desmotivado, acredite neste momento. Deus tem uma nova história para fazer em sua vida e em nossa cidade a partir de hoje.  
Levantemo-nos e lutemos, pois nosso descanso não é aqui, João Câmara será verdadeiramente mudada pois como Igreja iremos se colocar na brecha.
 Que Deus em Cristo Abençoe os Irmãos.

Pb Enéas.

terça-feira, 23 de abril de 2013



Em sessão ordinária ocorrida em 27 de março de 2013, em discurso na tribuna da Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro - o parlamentar mais assídio daquela Casa de Leis - trouxe informações ao Brasil relacionadas, e diretamente, sobre o ex-BBB Jean Wyllys, fatos que a Imprensa brasileira não parece capaz de fazer circular.


No início do pronunciamento, o parlamentar diz ser redundante descrever Wyllys como político que não representa o povo do Rio de Janeiro, apresenta-o como pessoa arrogante, alguém que age como se fosse o dono da verdade e é exímio crítico da Bíblia, pois tais características são quesitos para quem queira fazer parte de alguns partidos políticos brasileiros (no caso em questão, o PSOL).

Bolsonaro discorre lembrando que Wyllys foi eleito com baixo número de votos, apenas 13 mil, chegou ao parlamento federal graças ao impulso de votos arrecadados por Chico Alencar. Isto é, a "arapuca" do quociente eleitoral: o BBB saiu dos holofotes dos estúdios da Globo e entrou no Salão Nobre da Câmara dos Deputados sem atingir a meta necessária. Recebeu o menor número de votos no Rio de Janeiro (0,2% dos votos válidos). Foi a menor quantidade de votos em eleições no Rio de Janeiro que um candidato ao cargo de deputado federal já atingiu até os dias de hoje.

Bolsonaro revela que Jean Wyllys possui processo por causar humilhação em alunos enquanto professor em universidade na Bahia. Presidiu seminário LGBT juvenil/infantil na Câmara dos Deputados, ocasião em que um dos palestrantes aprogoou "se uma criança quiser brincar com o órgão sexual de outra criança, deixe-a brincar em paz". Durante a elaboração do Plano Nacional de Direitos Humanos, em comissão
 
a presidência de Wyllys, um travesti se manifestou dizendo que suas melhores professoras foram as prostitutas.

O parlamentar apresenta parte de agressões verbais e ameaças de morte contra ele e o pai Jair Bolsonaro, recebidas em redes sociais, indica como responsáveis a comunidade LGBT que afirma militar em favor dos direitos humanos, e diz que nem todos os conteúdos são publicáveis.

Bolsonaro revela que em 2012 o grupo LGBT recebeu por intermédio de Chico Alencar na Comissão de Direitos Humanos e Minorias 11 milhões de reais dos cofres públicos. E considera que os militantes das causas gays são lobos em peles de cordeiro

sábado, 19 de janeiro de 2013

Qual o teu verdadeiro valor?

O ANEL

Há muito tempo, numa cidade qualquer do interior, um jovem que vivia desanimado
dirigiu-se ao seu professor:
- Venho aqui, professor, porque me sinto tão pouca coisa que não tenho forças
para fazer nada. Me dizem que não sirvo para nada, que não faço nada bem, que
sou lerdo e muito idiota. Como posso melhorar? O que posso fazer para que me
valorizem mais?
O professor, sem olhá-lo, disse-lhe:
- Sinto muito, meu jovem, mas não posso ajudar. Devo primeiro resolver meu
próprio problema. Talvez depois.
E fazendo uma pausa, falou:
- Se você me ajudasse, eu poderia resolver este problema com mais rapidez e
depois talvez possa lhe ajudar.
- Claro, professor - gaguejou o jovem, logo se sentindo outra vez desvalorizado
e hesitou em ajudar seu professor.
O professor tirou um anel que usava no dedo mínimo e deu ao garoto, dizendo:
- Pegue o cavalo e vá até o mercado. Devo vender esse anel porque tenho de pagar
uma dívida. É preciso que você obtenha pelo anel o máximo possível, mas não
aceite menos que uma moeda de ouro. Vai e volta com a moeda o mais rápido
possível.
O jovem pegou o anel e partiu. Mal chegou ao mercado, começou a oferecer o anel
aos mercadores. Eles olhavam com algum interesse, até quando o jovem dizia o
quanto pretendia pelo anel.
Quando o jovem mencionava a moeda de ouro, alguns riam, outros saiam, sem ao
menos olhar para ele. Só um velhinho foi amável, a ponto de explicar que uma
moeda de ouro era muito valiosa para comprar um anel.
Tentando ajudar o jovem, chegaram a oferecer uma moeda de prata e uma xícara de
cobre, mas o jovem seguia as instruções de não aceitar menos que uma moeda de
ouro e recusava as ofertas.
Depois de oferecer a jóia a todos que passaram pelo mercado, abatido pelo
fracasso, montou no cavalo e voltou. O jovem desejou ter uma moeda de ouro para
que ele mesmo pudesse comprar o anel, assim livrando a preocupação de seu
professor e, assim, receber ajuda e conselhos.
Já na escola, diante de seu mestre, disse:
- Professor, sinto muito, mas é impossível conseguir o que me pediu. Talvez
pudesse conseguir duas ou três moedas de prata, mas não acho que se possa
enganar ninguém sobre o valor do anel.
- Importante o que disse, meu jovem... - o professor disse, sorridente - Devemos
saber primeiro o valor do anel. Pegue novamente o cavalo e vá até o joalheiro.
Quem poderia ser melhor para saber o valor exato do anel? Diga-lhe que quer
vender o anel e pergunte quanto ele lhe dá. Mas não importa o quanto ele lhe
ofereça, não o venda... Volte aqui com meu anel.
O jovem foi até o joalheiro e deu o anel para examinar. O joalheiro examinou o
anel com uma lupa, pesou o anel e disse:
- Diga ao seu professor, se ele quer vender agora, não posso dar mais que 58
moedas de ouro pelo anel.
- 58 MOEDAS DE OURO!!! - exclamou o jovem.
- Sim, replicou o joalheiro, eu sei que, com tempo, eu poderia oferecer cerca de
70 moedas, mas se a venda é urgente...
O jovem correu emocionado à escola para contar o que ocorreu. Depois de ouvir
tudo que o jovem lhe contou, o
professor disse:
- Você é como esse anel, uma jóia valiosa e única. E que só pode ser avaliada
por um "expert". Pensava que qualquer um podia descobrir seu verdadeiro valor?
E, dizendo isso, voltou a colocar o anel no dedo.
Todos somos como esta jóia. Valiosos e únicos, andamos por todos os mercados da
vida, pretendendo que pessoas inexperientes nos valorizem. Porém ninguém, além
do Grande Joalheiro, nosso Deus e Pai, que deu Seu filho por amor de nós, sabe o
nosso valor!


terça-feira, 15 de janeiro de 2013